4.10.2014

As equações da Interioridade



Publicação de João Tilly.



Consideremos um concelho do interior com 20 mil cidadãos.
Em média este concelho terá 50 candidatos directos a cargos políticos de relevância (Câmara Municipal e organismos dela dependentes), e outros 50 candidatos a cargos políticos de menor importância, ou nula, de facto, mas (que pensam) que lhes dá prestígio - Assembleia Municipal, comissões e organismos vários todos eles absolutamente inúteis como as CIM por exemplo.

Depois consideremos mais 100 caciques espalhados pelas várias freguesias desse concelho. Se o concelho tiver 20 freguesias e 5 caciques por freguesia, fácil é encontrarmos esse número.

Num concelho desta tipologia teremos que o número de cidadãos intelectualmente saudáveis (considerando um QI médio europeu) e um coeficiente de dano intelectual localizado de 1,5 é :

nPi = 20.000 - 1,5x 100 x 100 = 5.000.     Um quarto da população

No entanto, a probabilidade de encontrarmos um cidadão não infectado pelo obscurantismo emanado por esses agentes "políticos" é:

P(nPi) = 1 - 10.000/20.000 = 50%

Ou seja: 1 em cada 2 cidadãos é pessoa com a qual se pode ainda discutir ideias, pois embora uma parte não possua estruturas intelectuais que lhe permita ter um claro entendimento do mundo que a rodeia, não terá instalado o vírus da estupidificação a roer-lhe o cérebro.

------------------------------------
Vejamos agora ao caso de um concelho mais pequeno com 10 mil habitantes. Há vários no nosso distrito. 10 freguesias. Classe partidária 50 + 50 na mesma (os órgãos são os mesmos e os partidos também) e 50 caciques com a mesma distribuição anterior.

nPi = 10.000 - 1,5 100 x 50 = 2.500          Um quarto da população
No entanto:
P(nPi) = 1 - 5.000/10.000 = 50%    Mesmos resultados do caso anterior.
--------------------------------------

Já num concelho maior com 100 mil habitantes. 30 freguesias.
Classe política: 150. Caciques: 5 x 30 = 150

nPi = 100.000 - 1,5 x 150 x 150 = 66.250         33,75% da população com QI normal.

P(nPi) = 1 - 22.500/100.000 = 77,5%                   A probabilidade aumenta.          

Segundo esta minha tese, em concelhos e cidades grandes, a probabilidade de se encontrar uma pessoa intelectualmente saudável aumenta em cerca de 50% relativamente ao que se passa em concelhos pequenos. Como seria de esperar.

4.01.2014

O problema em 5 alíneas

3.30.2014

A extinção de Portugal em meados deste século

3.29.2014

c) "Prevenir a criminalidade em geral em coordenação com as demais forças e serviços de segurança".


c) "Prevenir a criminalidade em geral em coordenação com as demais forças e serviços de segurança".

Não havendo grande criminalidade constante em Seia, a verdade é que há muita pequena criminalidade. Assaltos, furtos, roubos até, são frequentes. E a venda impune de droga. Disso falarei no fim.

A maior parte das vezes, no entanto, o cidadão já nem sequer faz queixa porque considera isso inútil e - pior do que isso - percebeu que se vai meter em trabalhos que não resultarão em nada. Será chamado várias vezes ao posto ou ao Tribunal e no fim de tudo e de horas perdidas o caso será arquivado. Quando não o é imediatamente ainda se torna pior porque para além de nunca ser ressarcido das importâncias furtadas ou do prejuízo sofrido, o queixoso inicia um calvário de presenças e de declarações que se revela inexoravelmente inútil.
Haverá excepções, evidentemente, mas que apenas confirmam a regra.
Poderia falar aqui de vários e bem caricatos casos que se passaram comigo, mas vou resistir a isso até porque há tantos e tão variados que não há necessidade de particularizar.

Relembro apenas um caso que se passou há uns anos para ilustrar a relutância e a desistência das pessoas na apresentação de queixas contra incertos.
Numa célebre noite em que a GNR fazia as suas costumeiras operações stop no centro da cidade (frente à EDP no largo Marques da Silva) foram riscados 28 automóveis. De manhã foi o caos.
Muitos dos queixosos acorreram ao posto da GNR decididos a apresentar queixa. Um após outro acabaram por não a apresentar.
Os militares que na altura se encontravam no posto lá foram demovendo as pessoas de o fazer de imediato e em catadupa dado o tempo que isso ia tomar e "até porque tinham 6 meses para o fazer"...
É claro que o que aconteceu foi óbvio. A coisa arrefeceu e as pessoas acabaram por não fazer queixa. E foram 28 crimes que, nessa noite, acabaram por ficar impunes. Simplesmente não existiram.

O ano passado passou-se o mesmo numa festa de estudantes com a vandalização de símbolos de veículos Mercedes. Foram 5, pelo menos. Desta vez já ninguém apresentou queixa.
Para quê?

Portanto não só a criminalidade não tem sido prevenida com eficácia como, quando ela se verifica, as pessoas já não confiam que alguém seja punido por ela. E por isso desistem. No que fazem muito mal porque isso baixa artificialmente os números da criminalidade que realmente se verificou, fazendo com que a tutela descure a nossa cidade e transfira efectivos para outras, onde essa criminalidade é mais visível.
Porventura cidades que até têm menos criminalidade do que a nossa, mas em que as pessoas não desistem de apresentar queixa formal contra incertos. O que, aqui em Seia, acontece muito pouco.

Por último, provavelmente o maior escândalo e o que mais dura nesta região: a venda continuada e descarada de droga na nossa cidade e arredores.
Toda a gente sabe quem vende e onde se compra. Eu próprio o denunciei repetidamente às autoridades quando co-explorava a esplanada do parque. Era seringas nas casas de banho, era transacções à frente de todos. Felizmente, conseguimos "limpar" aquilo com 2 anos de trabalho dedicado, afastando os dealers e aconselhando alguns miúdos que já estavam bem agarrados.
Fomos embora quando percebemos que os gangs tinham tomado conta do parque porque foram alojados nas redondezas.
Nos anos seguintes ficou pior que nunca.

Essa falta de confiança bem patente nos cidadãos na captura dos criminosos e por isso a impunidade perceptível de que se revestem os crimes praticados em Seia leva-me a classificar esta prevenção da criminalidade a que se refere a alínea c) com 5 valores.

Análise Sócio-policial integral (ainda em actualização)


 Porque o texto anterior fica mesmo muito longo vou condensá-lo aqui



Publicação de João Tilly.

Análise "Sócio-policial"

Vou passar a pente fino as atribuições (Missões) da GNR e AVALIAR o seu grau de cumprimento aqui em Seia.
(a actualizar permanentemente)


1-a) "Garantir as condições de segurança que permitam o exercício dos direitos e liberdades e o respeito pelas garantias dos cidadãos, bem como o pleno funcionamento das Instituições democráticas, no respeito pela legalidade e pelos princípios do Estado de direito".


De uma forma geral, isto é das tais atribuições que não necessitam grande esforço para se cumprirem neste país e nesta cidade. Não há grandes desacatos, o povo é sereno, não há confusões no dia a dia, ninguém ameaça as Instituições Democráticas, nunca houve notícia de boicotes eleitorais e muito menos violentos, nunca se invadiu nenhuma repartição. É certo que foi apedrejado o Tribunal o ano passado durante a noite sem se ter apurado os seus autores. Mas não passou de prejuízo material. Vidros, apenas.

Portanto podemos dar uma nota neutra a esta atribuição da GNR. Proponho para esta alínea a) uma nota 10.
Se o leitor pensar diferentemente faz favor de contribuir.

-------------------------------------------

1-b) "Garantir a ordem e a tranquilidade públicas e a segurança e a protecção de pessoas e dos bens."


Aqui já não posso ser tão generoso. A ordem e a tranquilidade públicas, quando alteradas, tem sido muitas vezes pela actuação da própria GNR.
De facto, perseguir automóveis com os pirilampos (as luzes rotativas) e sirenes ligados, e chegar a ultrapassar traços contínuos nessas perseguições no centro da cidade para apenas mandar soprar os condutores não é uma prática admissível num Estado de Direito.
Mandar parar o mesmo condutor 2 e 3 vezes no mesmo dia para proceder às mesmas fiscalizações também não.
Cercar Seia em todas as entradas de forma continuada e sistematica sem razão aparente, unicamente para se fiscalizar a ingestão de álcool dos condutores ainda menos.

Estas práticas diariamente levadas a efeito ao fim de tantos anos - cerca de quinze - acabam por conotar Seia com uma terra de bêbedos. Quando o não é mais que as outras. Apenas os condutores aqui são fiscalizados incomparavelmente mais que em qualquer outra cidade.

São às dezenas os casos de senenses que viajam pelo país e que são fiscalizados apenas em Seia. E de viajantes e profissionais oriundos de outras Terras que se queixam do mesmo.
Há senenses que vivem em Lisboa há 30 anos e que juram que apenas foram fiscalizados, em toda a sua vida... em Seia. Dez, quinze, vinte vezes. Mas sempre em Seia. Praticamente de todas as vezes que aqui vêm.
Isto não é normal.

O alarme social que este aparato provoca na sociedade é em tudo contrário ao espírito da lei.
A GNR deve manter a ordem e a tranquilidade e não pode ser ela própria a destruir essa tranquilidade com acções de todo injustificáveis e dignas de filmes de ficção.
Não se trata de assaltos a bancos ou a Instituições. Não se trata de fuga de presidiários. Não se trata de crimes de alta perigosidade. Nada justifica perseguições de condutores com pirilampos e sirenes no centro da cidade para fiscalização de álcool. Menos ainda perseguições de quilómetros serra acima para, em ermos sem qualquer iluminação, se atravessar o carro à frente do perseguido, provocando-lhe grande pânico e temor.

E, pelo contrário, os crimes de alta perigosidade e alarme social raramente são resolvidos e os culpados raramente são apanhados.
Temos, no nosso concelho, vários casos de homicídios nunca resolvidos. São pelo menos 10 casos de homicídios cujos autores nunca foram detidos. Pode dizer-se que essa não é uma atribuição da GNR e não a avaliarei por isso. Mas mostra que a componente "tranquilidade" e "alarme social" não estão dentro dos parâmetros pretendidos.

Por outro lado, no que se refere à protecção de pessoas e bens a coisa está ainda mais longe de uma nota satisfatória. Vários assaltos - dezenas por ano - têm tido lugar na nossa cidade e arredores, quase sempre sem se apurar a autoria.
O cúmulo aconteceu aquando do assalto ao próprio posto da GNR de Paranhos, há cerca de 2 anos, de que todos se recordarão. Há poucos meses a residência de um guarda foi também assaltada e vandalizada na Folgosa.
Residências e apartamentos têm sido sistematicamente assaltados e ultimamente até uma ourivesaria o foi no centro da cidade, num caso que deu grande brado mediático. Neste caso, os populares e os BV apareceram na cena muito antes da GNR que se encontrava na ponte de Santiago a fazer uma operação STOP - como é costume quase diariamente - e terá demorado mais de um quarto de hora (há quem afirme meia hora) até aparecer no local. Felizmente os populares perseguiram 2 dos assaltantes que, encurralados, acabaram por ser capturados. Dos 2 que conseguiram fugir, mais uma vez não há notícia.

E que dizer de todos os automóveis que foram furtados em Seia e dos quais apenas um apareceu porque foi o filho do proprietário quem o furtou?
Foram vários e de grande valor, alguns furtados na rua e no centro da cidade. Outros em garagens de alta segurança. Nunca nenhum apareceu.

Portanto não se pode dizer que a propriedade dos cidadãos esteja bem protegida em Seia. Pelo contrário.
Pelo que proponho para esta alínea b) a nota de 5 valores.



As atribuições da GNR

3.22.2014

A destruição do tecido empresarial português em números

Vistos dourados são a melhor forma de lavagem de identidade internacional

Satisfeitíssimos por recebermos as Tríades chinesas

3.19.2014

O dia do PAI para milhares de bandidos e de corruptos


3.17.2014

Acessibilidades: Quanto MAIS saloios MAIS tempo perdemos.

3.16.2014

O que mata Seia é a falta de Inteligência

Quase 6 meses após as eleições autárquicas, Seia encontra-se exactamente no mesmo ponto em que estava antes. 
Apenas o tempo passou. Sem perspectivas de novas empresas, sem ideias, sem Inteligência. 

E vou bater neste ponto da Inteligência porque esta palavra sozinha encerra em si tudo o que falta a Seia há muitos anos. 
A definição da Mainstream Science on Intelligence, que foi assinada por cinquenta e dois pesquisadores em inteligência, em 1994, define este conjunto de actividades cerebrais: "uma capacidade mental bastante geral que, entre outras coisas, envolve a habilidade de raciocinar, planejar, resolver problemas, pensar de forma abstrata, compreender ideias complexas, aprender rápido e aprender com a experiência. Não é uma mera aprendizagem literária, uma habilidade estritamente acadêmica ou um talento para sair-se bem em provas. Ao contrário disso, o conceito refere-se a uma capacidade mais ampla e mais profunda de compreensão do mundo à sua volta." 

Ora isto é exactamente o que Seia não tem tido. Nem por parte de quem decide, nem por parte dos directamente interessados e atingidos pelas políticas (ou falta delas) de quem decide e nem por parte dos opositores formais às políticas de quem decide. 
Continua a fazer-se tudo como dantes. "À semelhança do que se fez nos anos anteriores"... mas como agora não há dinheiro - pelo menos para o fundamental - as coisas ficam-se praticamente pelas intenções daquilo que já foram. 

Não há investimento em coisa nenhuma, em Seia. A iniciativa privada mostra que não acredita nesta Terra. 
E esse é o primeiro passo para a morte rápida e anunciada do território. Seia não pode viver apenas dos funcionários públicos cada vez mais pobres e espoliados pelo estado. As repartições dentro em breve começarão a fechar. 

E também não há estratégia visível por parte do executivo. As coisas fazem-se avulsamente, sempre a mesma coisa, de forma repetitiva. 
É a feira do queijo, hoje ultrapassada por todas as outras depois do erro crasso - e por muitos denunciado - de ceder a feira às Terras vizinhas. É o Jazz e Blues cada vez com menos gente, é depois a transumância comprada aos espertalhões que ganham a vida a impingir ideias parvas a quem não tem espírito crítico para perceber a tristeza e a mediocridade desses eventos aparvalhados. É a BTS - o ponto provavelmente mais ridículo do ano em que se tenta promover o turismo para os residentes locais, e chega o verão. Outono com a velha, esfarrapada e desde sempre inútil CineEco, e mais um fim de ano proibido em Seia para se enviar toda a gente para S. Romão. 

E passou mais um ano. Toda a gente recebeu 13 ordenados, fizeram-se dezenas de viagens e estadias, algumas ao estrangeiro, e o ano passou. 
E Seia mais pobre ficou. 

Na minha opinião a coisa está errada desde o seu início. 
Quem é que temos a gerir o concelho? Nos tempos árduos e competitivos em que vivemos não podemos dar-nos ao luxo de ter gente empresarialmente impreparada a gerir um Concelho. 
O erro nasce provavelmente aqui. 

Como se pode exigir a quem nunca ganhou um cêntimo a gerir uma empresa sua, que venha gerir eficazmente todo um concelho? 
Que experiência tem um professor, por mais bem intencionado que o seja, secundado por outros seus pares - como é o caso actual - de empreendedorismo, de luta contra as circunstâncias adversas, de mudança de estratégia quando é necessário, de combate à concorrência? 
Nenhum deles a tem. 

Nenhum deles alguma vez esteve dependente do mercado para sobreviver. Sempre ganharam os seus ordenados certinhos ao fim do mês e, apesar de terem mudado de profissão provisoriamente, continuam na mesma vida. 
Experiência empresarial e de negócios? Nenhuma. 
Como pode esta gente gerir um concelho quando nunca geriu um pequeno negócio, ao menos? 
Não pode. Não tem visão empresarial. 
Não detecta o afundamento do concelho a cada dia que passa, não consegue discorrer estratégias de combate à crise que já destruiu mais de metade do tecido produtivo de Seia nos últimos 10 anos. 

Este é o principal problema: a falta de visão e de Inteligência - na definição postulada no início deste texto - de quem deveria ter o discernimento para tentar dar a volta a isto... e não tem. 
E como não tem, fiaram-se num Messias que lhes caiu de pára-quedas à frente. Um espertalhão que tem UM olho aberto. 
Sabe-se bem que em Terra onde o desporto preferido é manter os 2 olhos fechados, um zarolho é rei. E entregaram-se cegamente nas suas mãos. Como se ele fosse o verdadeiro Enviado e Salvador desta Terra. 
Acontece que o Messias recebeu melhor proposta (apesar de aqui lhe entregarem tudo de mão beijada permitindo-lhe até criticar o executivo nos jornais) e mandou-os passear. Foi tratar da sua vidinha para outras paragens, deixando-os dependentes unicamente do seu notável e abrangente leque de ideias. À semelhança dos anos anteriores. 

Depois desse episódio na inútil e perdida CIM, outros ainda mais caricatos estão a vir a lume por estes dias mostrando que esta envergonhante situação para Seia não foi ultrapassada. Atarantados e sem líder, os "actores" políticos do PS ainda hoje não descobriram onde fica o túnel, quanto mais a luz no seu fundo. 

Mas infelizmente há mais. Isto da CIM evidentemente não passa de uma tacharia inútil, como se pode comprovar hoje mesmo na BTL onde Seia e a Serra da Estrela primam pela invisibilidade. É tudo aproveitado para se arranjarem mais uns tachos a uns boys e o resto é deixar correr. 
Houvesse espírito crítico na sociedade e o executivo seria forçado a trabalhar, a idealizar, a discorrer. 

E, ainda mais infelizmente, há ainda mais. A pouca massa crítica que existe ou não quer saber disto para nada e há muito partiu para fazer o seu negócio e ganhar a vida, ou está acometida aos 2 partidos que existem. O PCP e o CDS não existem na sociedade, infelizmente. E um ou 2 independentes.
Há gente capaz no PS, mas está calada porque nos últimos 20 anos tem corrido bem. E há gente igualmente capaz no PSD mas não faz muitas ondas porque sabe que o PSD não é - não tem sido - alternativa ao status quo e por isso não vale a pena arranjar inimigos antes do tempo. 

Os cidadãos criticam cada vez mais abertamente as opções da CMS - ou a falta delas - mas na hora da verdade votam esmagadoramente PS num fenómeno suicidário para mim inexplicável atendendo à ruína concelhia a todos os níveis que se vem manifestado nos últimos anos e que se continua a instalar a cada dia que passa. E todos a vêem. Passada que seja a Páscoa vamos ver o que vai acontecer a muito comércio e restauração que luta com grandes dificuldades há anos.

Cada vez mais me parece que os cidadãos independentes - tirando os boys e famílias de cada partido - votam maioritariamente no PS por não acreditarem minimamente na alternativa que o PSD oferece. 
Estou perfeitamente convencido de que se o candidato do PSD desta vez fosse Luis Caetano ou Tenreiro Patrocínio o resultado seria substancialmente diferente. Tratou-se de um claro erro de casting aceder a que um candidato que ninguém em lado nenhum conhecia fosse o escolhido.

E, por último, como corolário, temos uma oposição que nos últimos anos se tem pautado pelo laxismo e que, pela primeira vez, parece mais aguerrida. Mas que mesmo assim (ainda) não chega à população. 
O facebook de Tenreiro Patrocínio não é suficiente e a ausência total de comunicação formal do PSD não ajuda à difusão da mensagem. 

Esta é, portanto, a tempestade perfeita para o declínio da nossa Terra. 
1 - Um executivo sem o mínimo esboço de uma ideia - compra eventos avulsos a quem lhos impinge  e chama a isso política de visibilidade.
2 - Um povo descrente que interiorizou que "eles (seja quem for) estão lá é para se encherem e tratarem das suas vidinhas". Portanto não se envolve directamente na política em cuja bondade, convictamente, não crê. 
3 - Uma oposição que, embora com alguma garra, (ainda) não consegue transmiti-la à população. 

Neste contexto, a carta que o jovem empresário Gonçalo Cabral escreve ao Presidente da CM Seia e que o Notícias de Seia publicou na íntegra é, quanto a mim, um facto histórico. Embora algo longa e politicamente localizada, ela retrata a problemática que os jovens vivem e os obriga a emigar para outros países mas também para outros concelhos. 
Nenhum jovem qualificado fica em Seia. Já antigamente só ficavam os menos qualificados a quem alguém arranjava um tacho num Organismo público. Neste momento nem esses. Não há empregos. Nem já tachos políticos novos existem. Estão todos atribuídos até às reformas. 

Por isso a situação em Seia é negra. Há 20 anos que o é e continua mais negra à medida que o tempo passa. O despovoamento - a que alguns chamam desertificação - é notório. As maiores empresas, como a MRG, fecham ou deslocalizam. 
Grandes broncas se avizinham com outras grandes empresas e Marcas de Seia até há pouco consideradas de sucesso e pilares da nossa visibilidade. Porque simplesmente deixou de existir o mercado tradicional e nós não conseguimos criar outro. 

As estradas da Serra estiveram fechadas 41 dias este inverno. O Turismo desacredita. Os comerciantes não conseguem sobreviver nestas condições. Para o ano que vem, serão milhares os que considerarão ir para outras paragens. A culpa é das EP mas também de quem não as pressiona. 

Exigem-se estradas novas que custariam 100 milhões - para mais rapidamente despovoar esta região, como acontece em todo o lado. Mas não há um cêntimo para reparar a EN17 ou as estradas municipais.

Tudo loucuras marcadas por uma agenda política vazia de iniciativas, respostas, estratégias, Inteligência. 
Temos um Hospital às moscas. Sem valências, cada vez com menor credibilidade terapêutica dados os casos de diagnósticos errados sucessivos que se acumulam e são tornados públicos. 

À falta de tudo, viramo-nos para outro Messias (II) - a barragem de Girabolhos. 
Como se a decisão técnica da construção da barragem tivesse alguma coisa a ver com algum político local!... E como se a sua construção viesse salvar Seia de alguma coisa...

Mas até isso se tenta fazer passar ao povo distraído e descrente. Com a cooperação da imprensa local que continua a fazer copy/paste dos textos que recebe da CMS, mudando um adjectivo ou um tempo verbal. E a isso chama jornalismo. Um jornalismo que, felizmente, só mesmo a classe política ainda lê. Mais ninguém.

Falta a Seia Inteligência para a gerir, para a fiscalizar e para reclamar dessa falta. 

É, realmente, a tempestade perfeita.

3.12.2014

Seia não precisa de promoção turística. Nem precisa de nada, pelos vistos. Só de Inteligência.

3.10.2014

1ª página do CM caracteriza Portugal


3.09.2014

Portugal - um Estado que rouba quem tem como Missão defender: o Cidadão


Denunciar é o único caminho para a melhoria

ADSE / SNS: o genocídio de um povo quase inteiro

5 canções. Ou por aí.


Das 5 canções que o povo escolheu para passarem à final do festival da canção não acertei em nenhuma. Eu escolheria exactamente as outras 5. 
Duas delas eu nem sabia sequer que se se poderiam considerar canções. Existe, de facto, um ruído que perdura por 3 minutos; provavelmente o critério quedava-se por aí. 
Portanto: ou sou eu que já não percebo nada de canções ou é o povo. Devo ser eu porque o povo tem sempre razão.

3.06.2014

Afonso Costa nasceu há 143 anos

3.01.2014

O que se está a passar com este país?

A propósito dos cortes de subsídio para os alunos com necessidades educativas especiais, pergunto: O que se está a passar com este país? Cada vez há menos crianças mas, destas, cresce exponencialmente o número de crianças "diferentes". As escolas têm dezenas de alunos destes. Mas pior: a maioria dos alunos das secundárias do interior estão a ir para cursos profissionais por notoriamente não conseguirem acompanhar o rigor da via de ensino tradicional. Os chamados científico-humanísticos. Há já mais alunos em cursos profissionais do que na via de ensino tradicional e isso não tem a ver com a escolha dos alunos, mas com a sua declarada incapacidade para a obtenção de sucesso na via de ensino. Enquanto que em toda a europa - incluindo nos 8 países que ainda são mais pobres que nós - a tendência é a oposta. Toda a gente chega ao 12º ano e a esmagadora maioria tira especializações pós-ensino secundário e licenciaturas. Mas pelo menos a nível do bacharelato. O que é que está a passar com este povo? Sempre em contra-ciclo. Sempre de costas voltadas para o curso da História. Que futuro para este país constituído por jovens com esta capacidade intelectual média? Mais do mesmo: a continuação da mediocridade e corrupção na política por falta de espírito crítico dos futuros cidadãos activos.

2.22.2014

O turismo da paragem técnica ou do WC

2.20.2014

A Ucrânia luta pela Liberdade. Portugal deixa-se morrer

Há que manter os portugueses desinformados

Enquanto o seu relatório sobre Portugal é absolutamente arrasador perspectivando a necessidades de muito maior austeridade sobre reformados e funcionários públicos, o FMI dá os parabéns a Espanha afirmando que o país vizinho está já em condições de sair do resgate pois a banca voltou a estar saudável. O que de imediato me transporta para o caso BPN português.

Mas estas notícias não passam em Portugal. Tem que se ver os canais estrangeiros para saber o que realmente se passa aqui, relativizando com o que se passa noutros países. 

Fascismo chamo eu a este tipo de informação truncada para tuga sem espírito crítico consumir

2.19.2014

A irresponsabilidade, a inconsciência e a selvajaria

Portugal vive um período de irresponsabilidade, de inconsciência e de selvajaria
E já não sou só eu quem o afirma. Vários comentadores políticos que sempre defenderam o liberalismo puro e duro começam a duvidar publicamente das receitas do capitalismo selvagem. Porque elas estão claramente a conduzir - apesar de toda a propaganda diária em contrário - ao suicídio de todo um povo e concomitantemente das empresas e do capital que tais ideólogos têm como único e divino objectivo aumentar. Exponencialmente.


Ora isto assusta-me. Não estou habituado a que subitamente tantas vozes comprometidas com o culto dos "mercados" e com o servilismo cego ao dinheiro de sangue comecem a convergir e a ver o que sempre foi claro para mim e para mais alguns. Embora não muitos. 


Para pormos as contas em ordem já se mataram dezenas de milhares de portugueses e se atiraram fora outros tantos. E continuam a matar-se e continuam a expulsar-se cada vez mais. Os números finais do êxodo e do genocídio só se conhecerão com rigor daqui a 20 anos. Alguém cá estará para fazer as contas da Indignidade Portuguesa. 
Estamos a matar todo um povo rapidamente. E, apesar disso, as contas continuam fora de ordem. Cada vez mais.


Mas isto é do mais estúpido que se pode imaginar. Forçar rapidamente todo um povo ao mais negro empobrecimento até à depressão colectiva e, ainda por cima, inutilmente - apenas para se lhe vender mais uns milhões de dívida pública que será paga a peso do ouro que já vendemos para podermos continuar a comer e sobreviver mais uns meses... é literalmente estúpido. Tanto para quem sofre e morre, como - sobretudo - para quem desta forma deliberada decide massacrar o seu povo. Porque em algum ponto o "ai aguenta, aguenta" não aguentará mais. Não há esforços infinitos. Não é possível chacinar e desmoralizar 9 milhões de pessoas, mesmo que sejam as mais desprotegidas intelectualmente de toda a europa.


O cérebro pode não exigir muito à maioria dos portugueses mas os estômagos e os filhos, sim.
E parece que finalmente os analistas dos mais variados quadrantes começam a convergir nesta conclusão obrigatória. Embora tardia. Muito tardia.


Já só mesmo as direcções dos partidos do poder continuam a defender o que até para o FMI se revela indefensável, como mostra o seu relatório de hoje. 
A fraude está aí, desmascarada. Toda a propaganda dos últimos dois meses é pronunciada falsa. Como todos os não distraídos sabiam, não há reformas nenhumas, não há milagre nenhum. Há um povo doente que tem desemprego e fome... e os sofre para nada. Ou quase nada.


Mas pelo menos, quem ouve os programas de debate aberto na rádio e os vê nas tvs por cabo percebe que o povo que neles participa não se deixa enganar mais. 


O que é que se está a passar? Este povo estará finalmente a adquirir alguma réstea de consciência cívica e de espírito crítico?

2.06.2014

Os mitos sobre a neve especial na Serra da Estrela

6 de Fevereiro de 2014 às 12:32


Farto de ouvir e ler os mais variados argumentos que pretendem justificar o corte permanente das estradas na Serra da Estrela, vou desmontá-los, sem descer muito aos interstícios da Ciência para que o leitor perceba o que se diz. Evitarei também termos meteorológicos, porque são demasiado vagos e englobam demasiadas variáveis, para me focar naquilo que sustenta a meteorologia: a física, a termodinâmica e a dinâmica de fluidos.ilustram-se imagens de um trabalho de Raquel Diogo da Universidade de Aveiro sobre o "Manto de neve e equivalente em água" 2011.

1º MITO: a neve na Serra é única porque é mais pesada que as outras. FALSO.
A densidade da neve, no momento da queda, é praticamente semelhante em qualquer parte do planeta. Há variações, é certo: a neve no Evereste, que tem 8 kms de altitude, não será a mesma da neve na Serra da Estrela que tem 2. Mas isso deve-se essencialmente ao facto de o Evereste acumular nuvens a maior altitude, e ser muito mais frio. A velocidade de crescimento dos cristais no Evereste é extraordinariamente mais rápida que aqui. Mas mesmo assim, à chegada ao solo, a sua densidade não é muito diferente da nossa.
A neve cai quando o seu peso começa a ser maior do que aquele que a atmosfera pode suportar. Cai quando a água - em gotículas nas núvens - se agrupa em forma de cristais hexagonais ou dendítricos, dependendo da velocidade de cristalização e, nesse processo de crescimento, o cristal fica mais pesado que o fluido que o envolve - a atmosfera - pode sustentar.
E como a atmosfera é semelhante em toda a parte - variando apenas a sua densidade com a altitude - fácil se torna perceber que a neve começa a cair logo que as condições de sustentabilidade da mesma atmosfera deixam de ser suficientes para combater a força da gravidade.
Portanto: a neve não fica à espera de engrossar nuns países e cai mais ligeira noutros. Cai em todo o lado desde que as mesmas condições físicas sejam atingidas. São cristais de água cuja geometria pode variar de acordo com a velocidade de cristalização mas cuja composição química é a mesma em qualquer parte do mundo. H2O.
A diferença - que não é muito significativa - tem apenas a ver com a temperatura do ar e da existência de vento no momento da queda. Lá iremos.



2º MITO:  A nossa neve é mais húmida que as outras porque estamos perto do mar. FALSO
Em Espanha há 14 estâncias mais próximas que a nossa do mar e em nenhuma se verifica o corte continuado de estradas sempre que neva. Pelo contrário.

É verdade que perto dos Zero graus e com vento, o aglomerado de cristais tende a dissipar-se tornando os flocos em queda bastante mais pequenos. Misturados com água da chuva (perto dos zero graus), a neve - freezing rain - tende a preencher todos os poros e espaços vagos deixados entre os flocos que já caíram. No entanto, se fosse removida num curto espaço de tempo, a sua densidade não ultrapassaria a média que se regista em toda a europa que é, no máximo, de 100g/l. Portanto o mar não é tido nem achado para o problema. O vento tem uma importância relativa na densidade da neve mas desprezível se a remoção fosse imediata.



3º MITO:  A nossa neve é de difícil remoção porque as estradas estão a 2 mil metros e não há estradas a essa altitude na europa. FALSO e uma grande Falácia.

A Europa está cheia de estradas acima dos 2000 metros. Mas esta é uma falácia, porque a nossa estrada não está fechada aos 2 mil metros: está fechada acima do Sabugueiro a maior parte das vezes. E o Sabugueiro está a 1200 metros. Ora a essa altitude há centenas de estradas pela Europa fora. Tirando os países nórdicos, onde até neva sobre o mar, o que se passa é o contrário: haverá poucas estâncias a tão baixa altitude.Como são centenas é impossível procurá-las todas mas de entre as estâncias mais célebres nenhuma se encontra abaixo de 1500 metros e a maioria estão acima de 2000 metros. As mais altas da Europa estão acima dos 3800 m. Uma Serra da Estrela às costas de outra!

Desmontados os 3 mitos, o que é que acontece com a nossa neve?
Acontece que não é removida num prazo de tempo normal. E depois congela. E a sua densidade - depois de congelada - aumenta, pois claro.
E a estrada por debaixo da neve também fica gelada. E forma uma fina placa de gelo bem visivel sobre a estrada (denominada aquaneve ou sleet) que o limpa neves não consegue remover nem o sal dissolve - porque não lho deitam em quantidade e o pouco que deitam, em cima do gelo formado, é levado pelo vento.

Se a neve que cai fosse removida num curto espaço de tempo, essa remoção tornar-se-ia bastante facilitada. A neve ao cair tem a densidade do pó. No máximo 100g/ litro. Geralmente, até menos.
Se a deixam ficar toda a noite, de manhã está congelada. O gelo tem uma densidade próxima da da água. 10 vezes superior à da neve.
É claro que não se trata de gelo "puro" mas de neve congelada o que, mesmo assim, pode aumentar a sua densidade para 400 g/litro.
É daqui que vem o mito da densidade da nossa neve.

Só é diferente porque não é removida de imediato da estrada e torna-se na chamada neve "velha" ou "húmida". Passa a ter muito maior densidade devido à compressão da nova que vai caindo e vai ocupando as bolhas de ar entre flocos.

No limite, se ninguém limpasse a neve durante 15 dias, e a chuva não a dissolvesse, já nenhum limpa-neves conseguiria removê-la.
Por absurdo, se tal acontecesse durante anos teríamos a formação de um glaciar.

O fenómeno é sempre o mesmo:
- Removes a neve de imediato? É fácil. É o que se passa em toda a Europa.
Os automóveis que seguem atrás dos limpa-neves, distanciados de alguns kms entre si, esmagam o sal misturando-o com a neve residual e "derretem-na" imediatamente.

- Não a removes em pouco tempo? Tens um trabalho muito maior e gelas a estrada. Se não consegues dissolver a placa de gelo formada sobre a estrada (aquaneve ou sleet) com sal - o que é muito difícil se há vento - ela permanecerá lá como um viveiro de neve.


2.02.2014

BANDIDAGEM SIRESP - ladrões de 600 milhões a Portugal

Para se ter uma noção concreta da BANDIDAGEM que nos levou - e leva - à falência.
Este ROUBO de 600 MILHÕES representa apenas UM DÉCIMO do que os BANDIDOS do BPN roubaram a Portugal. 
E que nós todos estamos a pagar. Alguns com a própria vida.



Estradas abertas apesar da indicação desta placa à saída do Sabugueiro

2.01.2014

As leis fundamentais da estupidez humana segundo Carlo Cippola

Da minha já longa experiência no desenvolvimento de assuntos e discussões sobre vários temas de interesse geral, no facebook, surpreendo-me frequentemente ao encontrar um elevado número de interlocutores que, sem dominarem minimamente as matérias a tratar, de imediato opinam e partem para o insulto a quem desenvolver alguma tese minimamente consistente. 
Habituei-me naturalmente a vê-los como "estúpidos". 
Gente incapaz de raciocinar a partir do 3º nível de Durkheim. 

Mas afinal já houve estudiosos que dedicaram parte da sua vida a este apaixonante tema: 
Porque é que há tanta gente absolutamente estúpida? E porque é que essa gente vota sempre nos políticos mais corruptos? 

Allegro ma non troppo é o título de um dos livros mais conhecidos do historiador italiano Carlo Maria Cipolla, publicado em 1988 pela editora bolonhesa Il Mulino. Compõe-se de dois ensaios humorísticos distintos, que parodiam as técnicas metodológicas da análise humanística e da historiografia. 


As leis fundamentais da estupidez humana (em italiano Le leggi fondamentali della stupidità umana), é o capítulo no qual classifica a população humana em quatro grandes grupos: 



1 - Os inteligentes conseguem ter uma acção que resulte em vantagem para si e também para os outros (ainda que menor); 
2 - Os vigaristas tiram vantagem para si com prejuízo de terceiros; 
3 - Os fúteis não geram nem para si nem para os outros, vantagem ou prejuízo; 
4 - Os estúpidos têm uma acção que resulta em prejuízo para si e para os outros (ainda que menor). 

Além disso, enuncia as cinco leis da estupidez, que definem o comportamento da estupidez na humanidade. São elas: 


1 - Sempre e inevitavelmente, cada um de nós subestima o número de indivíduos estúpidos que há no mundo. 

2 - A probabilidade de que uma determinada pessoa seja estúpida é independente de qualquer outra característica dela mesma. 

3 - Uma pessoa é estúpida se ela causa um dano a outra ou a um grupo sem obter nenhum beneficio para si, ou mesmo sofrendo prejuízo. 

4 - As pessoas não estúpidas subvalorizam sempre o potencial nocivo das pessoas estúpidas; esquecem constantemente que em qualquer momento e lugar, e em qualquer circunstância, tratar ou associar-se com indivíduos estúpidos constitui inevitalmente um custoso erro. 

5 - A pessoa estúpida é o tipo de pessoa mais perigosa que existe. 

Este assunto encontra-se desenvolvido em separador próprio na página inicial do blog sob o título:
"As Leis fundamentais da estupidez Humana"